Our website uses cookies! You can disable them by changing your browser settings but if you carry on using the site we'll assume you don't mind! Read our privacy policy for more details.
Illustration by Fernanda Peralta @fernandaperalta_ilustracao

Climate activism in times like these

by Igor Vieira

The fire burns in the Amazon. The fire has always been there, not in these proportions, but the smell of smoke and ashes of what was once a vastness of green have been there for a while.

In recent weeks, the world has mobilised to argue about forest fire and the proportion is huge: the smoke stain spread across South America, invaded the city of Sao Paulo and was seen from space. Only this year 73,000 fires happened in Brazil and more than half of them were in the Amazon, an increase of more than 80% related to last year, according to experts. What do government decisions have to do with this process? Here is a short explanation of decision-making since the beginning of the year: In January 2019, President Bolsonaro emptied the Ministry of the Environment briefcase; IBAMA – Brazilian Institute of Environment and Natural Resources had the lowest assessments in a decade; Studies have shown that deforestation in the Legal Amazon increased by 66% in July 2019; With the dismantling of environmental policies, the incidence of illegal logging by miners and loggers has increased at a frantic and worrying pace.

No wonder Brazil is the fourth country where most environmentalists and land defenders are killed in the world according to this year’s Global Witness report, a symptomatic fact that reflects the history of small concern for the preservation of natural resources. This is contrary to environmental discussions around the globe, the IPCC – UN Intergovernmental Panel on Climate Change highlights the importance of indigenous peoples by protecting nature and preserving the forest. The truth is: the most conserved preservation areas are those where there is indigenous land.

As the world opens and reacts to the destruction of the Amazon, it is important to remember that traditional and indigenous peoples are the Brazilians most affected by the governmental nonsense in which they live.

They are at the forefront in the fight for the climate crisis, fighting for their territories in an intrinsic relationship – their bodies and their existence are the greatest weapon of resistance against a system that does not guarantee the demarcation advocated by the constitution and kills them daily. The world must know this is not a new scenario, violations of indigenous rights in Brazil have been known for decades, however, since the last presidential elections the action of miners, land grabbers and loggers has worsened through the national narrative that standardises and accepts the violent behaviour against the socio-environmental agenda.

This scenario has caused many people to take their own actions to protect their original lands. By doing this they are protecting their own lives cause the Amazonian peoples are, in their essence, their territories. The Munduruku ethnic group, which since 2014 has begun a process of demarcation and identification of its territory in order to put pressure on the government and prevent loggers, miners and large enterprises – this pressure has led to the filing of a licensing process for a hydroelectric dam in the Tapajós River that would affect the Munduruku territory with flooding. Since then, this ethnic group has been working on the process of self-demarcation of its territory, although there have been filing of lawsuits and reporting on demarcation, the Tapajós region suffers from constant threats from large power generation and mining ventures. This has led the indigenous population to denounce the invasion of loggers and miners, in some cases expelling them from land on expeditions that travel hundreds of miles through the forest.

When we talk about climate change and facing the crisis, which is probably the biggest challenge humanity has ever faced, it is important to see the situation beyond the big impact scenarios generated by the current global situation. Yes, it is important to understand and mitigate major weather events such as tsunamis, tornadoes, melting glacier blocks, but the narrative focus needs to be complemented by sharing the stories and condition of ordinary people in their daily lives. We need to deal with the current crisis through the change in the way humanity has lived so far, making voices that are not commonly heard in decision-making spaces and broadcast globally to reach a scenario where we hear each and every one. It is important to work on these narratives, especially from a global south perspective. That is why climate activism is important, works such as Engajamundo¹ and Ciclimáticos² (cyclimatics) in Brazil, have tried to emphasise this need and focus on hard-to-reach spaces such as the UN climate conferences and, above all, the empowerment of different youths in climate change processes by doing government incidence and pressure.

Following in the footsteps of People’s Demands For Climate Justice, the Brazilian youth felt the need to create national guidelines that could aggregate global demands on the path to climate justice. The Brazilian guidelines are being discussed and built by young people from all over the country, taking into consideration regional and national specificities, with the objective of talking with the global demands ensuring the fulfilment of the Brazilian obligations within the international climate and biodiversity agreements. The goal is to launch the youth demands as a formal document at the next UN climate conference, COP 25 to be held in Santiago, Chile. The demands carries agendas of: energy, biodiversity, land use, traditional and native peoples and communities, climate finance, ACE, Forests, cities, transport and water. The goal is to remind the government of its commitments to Brazilian NDC’s and to press their implementation.

There is no separate relationship between mankind and nature. Humanity is in its essence nature. We need to return to our origins in an attempt to harmonise this relationship that should be spontaneous. Not so distant in history, approximately 15 years ago the globe was optimistic about the discussion of a climate agreement for the first time, it was through scientific knowledge that we realised that anthropogenic actions could lead to the collapse of the planet. It is with this understanding that it is necessary to change the way the climate crisis is viewed. The youth are mobilised for climate justice. Our homework is done, we hope decision makers will do theirs.

¹Brazilian non-governmental organisation that works with youths, arguing that it is possible to make an individual change to influence and modify their surroundings. It works with political focus and capacity building on young Brazilians on topics such as gender, climate crisis, biodiversity, sustainable cities and SDGs. Learn more at engajamundo.org

²Collective of bike activists that raises awareness about the climate crisis. The network rides around Brazil listening to stories of people who are at the forefront of climate change issues. Learn more on Instagram here or read some of these stories here.

Illustration by Fernanda Peralta @fernandaperalta_ilustracao

READ IN PORTUGUESE BELOW: O ativismo climático em tempos como estes

O fogo arde na Amazônia. Ele sempre esteve lá, não nessas proporções, mas o cheiro de fumaça e as cinzas do que já foi uma imensidão de verde estão lá há um tempo.

Nas últimas semanas, o mundo se mobilizou para discutir sobre o fogo na floresta e a proporção é gigante: a mancha de fumaça se espalhou pela América do sul, invadiu a cidade de São Paulo e foi vista do espaço. Só neste ano 73 mil incêndios aconteceram no Brasil e mais da metade deles foi na Amazônia, um aumento de mais de 80% relacionado ao ano passado, segundo especialistas. O que as decisões do governo têm a ver com esse processo? Segue uma pequena linha explicativa no que se refere a tomada de decisões desde o início do ano: Em janeiro de 2019, numa das primeiras medidas o presidente Bolsonaro esvaziou a pasta do ministério do meio ambiente; O IBAMA – Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais teve as menores autuações em uma década; Estudos apontaram que o desmatamento na Amazônia Legal aumentou 66% em julho de 2019; com o desmonte de políticas ambientais tem se aumentando a incidência da atuação ilegal de madeireiros e mineradores em um ritmo frenético e preocupante.

Não à toa o Brasil é o quarto país onde mais se mata ambientalistas e defensores da terra no mundo segundo relatório deste ano da Global Witness, um dado sintomático que reflete a história de pouca preocupação com a preservação dos recursos naturais. Este é um dado que vem em contramão das discussões sobre meio ambiente ao redor do globo, o IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU que destaca a importância dos povos indígenas na proteção da natureza e preservação da floresta, os dados de cobertura vegetal brasileira não nos deixa mentir: as áreas de preservação mais conservadas são aquelas onde há terras indígenas.

Enquanto o mundo opina e reage a destruição da Amazônia, é importante lembrar que os povos tradicionais e indígenas são os brasileiros mais afetados com o disparate governamental em que se vive.

Eles estão na linha de frente na luta pela crise climática, lutando por seus territórios em uma relação intrínseca – seus corpos e sua existência são a maior arma de resistência contra um sistema que não garante a demarcação, preconizada pela constituição e os mata diariamente. É importante ressaltar que este não é um cenário novo, as violações aos direitos indígenas no Brasil são conhecidas por décadas, entretanto, desde as últimas eleições presidenciais a ação de mineiros, grileiros e madeireiros tem piorado através da narrativa nacional que normatiza e aceita o comportamento violento em resposta a pauta socioambiental.

Esse cenário tem feito com que muitos povos tomem ações próprias para proteger seus territórios através do processo de autodemarcação. Como a etnia Munduruku, que desde 2014 começou um processo de delimitação e identificação de seu território de forma a pressionar o governo e impedir a ação de madeireiros, mineradores e grandes obras – essa pressão levou ao arquivamento de um processo de licenciamento para uma hidrelétrica no curso do rio Tapajós e afetaria o território Munduruku com alagamentos. Desde então a etnia tem trabalhado no processo de autodemarcação de seu território, embora tenha ocorrido arquivamento de processos e lançamento de relatórios sobre a demarcação a região do Tapajós sofre com ameaças constantes de grandes empreendimentos para geração de energia e mineração. Isso tem levado a população indígena a denunciar a invasão de madeireiros e mineradores, em alguns casos os expulsando da terra em expedições que percorrem centenas de quilômetros pela floresta.

Quando falamos sobre mudanças climáticas e o enfrentamento da crise que é, provavelmente, o maior desafio que a humanidade já enfrentou, se faz importante enxergar a situação para além dos grandes cenários impactantes gerados pela atual situação global. Sim, é importante que entender e mitigar os grandes eventos climáticos como tsunamis, tornados, derretimento de blocos de geleiras, mas o foco da narrativa precisa ser complementado através do compartilhamento de histórias e situação de pessoas comuns em suas vivências diárias – Uma das maiores alternativas para lidar com a atual crise é através da mudança na forma que a humanidade tem vivido até então, fazer com que vozes que não são comumente ouvidas nos espaços de tomada de decisão e veiculadas globalmente para atingir um cenário onde se ouve todas e todos e se trabalha nessas narrativas, principalmente numa perspectiva de global sul. Por isso o ativismo climático se faz importante, trabalhos como o do Engajamundo¹ e Ciclimáticos² no Brasil, tem tentado enfatizar essa necessidade e incidir em espaços de difícil acesso como as conferências de clima da ONU e, sobretudo, o empoderamento das diferentes juventudes em processos de incidência e pressão governamental.

Seguindo os passos das demandas das pessoas para a justiça climática, a juventude brasileira sentiu a necessidade de criar pautas nacionais que possam agregar as demandas globais no caminho em busca da justiça climática. As pautas brasileiras que estão sendo discutidas e construídas por jovens de todo o país, levando em consideração recortes regionais e nacionais, tem o objetivo de conversar com as demandas globais garantindo o cumprimento das obrigações brasileiras dentro dos acordos internacionais de clima e biodiversidade. O objetivo é lançar as demandas da juventude como um documento formal na próxima conferência de clima da ONU, COP 25 que acontecerá em Santiago, no Chile. As demandas trazem pautas de: energia, biodiversidade, uso da terra, povos e comunidades tradicionais e originárias, financiamento climático, ACE, Florestas, cidades e transportes e água. O objetivo é lembrar ao governo os comprometimentos com as NDC’s brasileiras e pressionar sua implementação.

Não há uma relação separada entre homem e natureza. A humanidade é em sua essência a natureza. Precisamos voltar às nossas origens na tentativa de harmonizar essa relação que deveria ser espontânea. Não tão distante na história, há aproximadamente 15 anos atrás o globo estava otimista com a discussão sobre um acordo climático pela primeira vez, foi através do conhecimento científico que compreendemos que as ações antropogênicas podiam levar ao colapso do planeta. É com essa compreensão que se faz necessário mudar a forma como se vê a crise climática. As juventudes estão mobilizadas em busca de justiça climática. Nosso dever de casa está feito, esperamos que os tomadores de decisão façam os seus.

¹Organização não governamental brasileira que trabalha com juventudes, defendendo que é possível fazer uma mudança individual para influenciar e mudar seu entorno. Trabalha com incidência política e formação de capacidades em jovens brasileiros em temas como: gênero, crise climática, biodiversidade, cidades sustentáveis e ODS. Conheça mais em engajamundo.org

²Coletivo de ciclo-ativistas que conscientiza sobre a crise climática. A rede pedala pelo brasil ouvindo histórias de quem está na linha de frente das mudanças no clima. Conheça mais aqui – conheça algumas dessas histórias aqui.

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

More Stories
Whitewashing