Our website uses cookies! You can disable them by changing your browser settings but if you carry on using the site we'll assume you don't mind! Read our privacy policy for more details.
Illustration by Isadora Machado @pppaperplanes

How Brazil is denying the basic human right to water

An insight into new laws which threaten the lives of thousands already living in water insecurity

*Portuguese version available at the bottom of this piece

The way we access water in Brazil is changing. In March, while the rest of the world celebrated World Water Day, the federal government decided to introduce the National Water Infrastructure, a new regulatory water framework which favours privatisation over public access. 

With the occurrence of extreme weather events increasing in Brazil, such as prolonged droughts and changes in rainfall patterns, difficulties in the distribution and access to water are already rife. As our government’s environmental claims are repeatedly proven to be false, it’s clear that this water regulation project is only going to increase water scarcity and exacerbate the effects of the climate crisis that are already keenly felt by the most vulnerable. 

Due to a lack of government transparency, Brazil’s citizens are often kept in the dark about policy decisions. It was not until this project was uncovered by the media that we learned about the effect this bill would have on our environment and the ability of the people living within it to access water.

As a climate activist and organiser who has been working with issues related to water and sanitation in Brazil for almost 11 years now, the proposal has left me and many others  extremely concerned about the effect it will have on Brazilians. 

Some of the new water framework highlights

This framework would enable the selling of water among different companies, businesses and individuals who have the money to buy it, going against the principle that water is a natural resource in the public domain, as well as a fundamental human right.

This expansion also means the increase in the privatisation of hydraulic structures such as water channels and dams. This is controversial, since according to ANA (the National Water Agency) there are more than 24 thousand dams in Brazil, enterprises that in their majority are not monitored, allowing private investors to further obscure an already unregulated model. This issue of access to and ownership of dams needs to be better addressed, not only for environmental purposes but also to legally protect those who rely on them. 

Exacerbating the problem

In Brazil, 30 million people do not have access to water. Ironically, it is the North and Northeast regions of the country, where one of the largest river basins in the world is located, which are the most affected. These are the regions that will also  feel the impacts caused by climate change the most.

To explore further reactions to these new measures, I spoke to artist and socio-environmentalist activist Gabriela Holanda. She is currently developing the project Memories of a Former River, which interweaves the language of ecoperformance and film to explore the changes the Fragoso River (Olinda-PE) has faced during the urbanisation process. We discussed her concerns about how the water framework will impact different communities.

“In Brazil, we experience an immense hydric inequality, whether due to territorial and climate related issues or because of socioeconomic aspects,” she explains. “The proposals of the new water framework will further aggravate these inequalities in the country, increasing water insecurity and conflicts over water already experienced in our territories.” 

This new water framework will also increase conflicts surrounding water, which is a reality for many Brazilians living with water scarcity. The Pastoral Commission for Land’s Field Conflict Notebook points out, for example, that in Pernambuco, the state in which I live, there are at least 57 areas of conflict over water and land. This number is equivalent to almost 7,000 families.

The question for many is: How can the government propose a project like this in the middle of a water crisis? As Gabriela says, “modifying the National Water Resources Policy in favour of water commodification should be seen as a humanitarian crime in such an unequal country.” 

Bypassing the experts

To add to the injustice, this important piece of legislation was proposed without consulting any experts working in various organisations – which exposes how the government fails to take water issues, and the resulting social impacts, seriously. It also belies how far the Brazilian government has moved away from consulting its citizens on major issues. 

One such organisation which was left out of the conversation, and whose powers will be greatly diminished by this new framework, is the Basin Committees, a body of diverse, socially minded actors. They are responsible for evaluating public interests and ensuring the good use of water. They have decision-making power and an important role in the promotion of public policies on water management. However, the new framework has been tasked to higher councils who have more to gain from privatisation.

“The autonomy of the Basin Committees is essential to guarantee the democracy of water management,” Gabriella explains. “After all, the issues discussed within the committees are guided by the contexts experienced in each territory. The removal of the Basin Committees’ ability to approve Government plans is an antidemocratic strategy, because it centralises water management in the country.” 

Erasure of Indigenous knowledge

But it’s not only the Basin Committees’ autonomy which is being undermined, as Gabriela tells me. It’s also Indigenous knowledge which is being erased. “Traditional knowledge teaches us to understand water as an entity and pulsating life, moving away from an understanding of it as mere money in the wheel of capitalism,” Gabriela says. “Therefore, the right to water is the right to life and the maintenance of a people’s culture. Guaranteeing access to safe water is the simplest way to fight poverty and hunger, and to promote basic preventive health and hygiene actions for the population.”

To ensure water security, it is necessary to understand how we can adapt to the changing climate. We need to find ways to ensure a plural water security that includes popular participation, decentralises the management of water resources, and focuses on local action. Access to water and sanitation is a human right, one which should be held up by environmental legislation and reinforced by structures that guarantee the decentralisation of water management in Brazil.

Traditional knowledge is the biggest key to preserving water resources and maintaining aquatic environments. The preservation of Indigenous, quilombolas and traditional communities, which are threatened by the new water framework, is imperative. This new ruling will further jeopardise the environments in which they live as knowledge, which can be transformed into nature based solutions, will be lost. We need to protect and be guided by them: the original environmentalists.

I am concerned about how access to water environmental impacts of water provision are not a priority issue for our government, when the lives of thousands of Brazilians are already threatened due to water scarcity.  In this election year, we need to put pressure on the population to instead support young candidates, including Indigenous representatives, which have their priorities straight. As the effects of the climate crisis cause havoc across Brazil, it’s the only way we can even conceive of a water secure future.

What can you do?

Illustration by Isadora Machado @pppaperplanes

Artist concept: The illustration emphasises poetically the direction of legislative choices and the distribution of hydric resources in Brazil and the main points covered by the article. The river basins and water flows depicted highlight water as a human right and that environmental legislation must ensure water security as well as treat water as a community wealth.


Um Brasil de marcas: o que o marco hídrico representa para o país? 

O PL 4546/2021 que Institui a Política Nacional de Infraestrutura Hídrica, dispõe sobre a organização da exploração e da prestação dos serviços hídricos foi apresentada pelo Governo Federal e está apensada ao PL 1616/99 que trata sobre a gestão administrativa e organização do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e aguarda a criação de uma comissão especial para ser analisada e votada. 

Para entender a linha do tempo

As pessoas que lidam com água, num contexto de sociedade civil, descobriram este novo projeto através da mídia, como muito do que acontece hoje em processos de tomada de decisão. A priori, a comunidade ambientalista no Brasil lia notícias sobre o que seria uma proposta apresentada para o Congresso Nacional com estranheza e curiosidade. No final de 2021 a proposta veio à luz numa reunião do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, que é um fórum importante para discussão e implementação da gestão dos recursos hídricos no país.

Enviado sem discussão plural e participação atores dos diversos setores de interesse, o projeto vai de encontro a estrutura de gestão participativa dos recursos hídricos. Esta gestão participativa é importantíssima no arcabouço legal da legislação hídrica brasileira e configura uma estrutura admirável, mesmo com todos os percalços históricos da sua prática. 

O conteúdo deste marco hídrico traz pontos preocupantes e que precisam ser destacados, muitos são discussões antigas no cenário das águas no Brasil, mas que permanecem confusas. Há uma fragilidade na forma que este projeto tem sido construído e conduzido que enfatiza a falta de seriedade e prioridade com o tema da água no Brasil e que reforça o afastamento das tomadas de decisão do estado brasileiro da sociedade civil

Em paralelo, deputados governistas defendem a votação do Projeto, sob a justificativa de complementar o Marco Regulatório do Saneamento, aprovado em 2020. Em março, enquanto a comunidade global se reunia para celebrar, discutir e criar alternativas para caminhar em direção à segurança hídrica, o governo federal realizou um seminário na câmara para reapresentar o projeto.

Há uma preocupação latente sobre como a gestão das águas no país pode ser impactada através da implementação deste projeto. As mudanças contidas nele não apresentam regras e definições claras que podem levar à insegurança hídrica e evidenciam o interesse privado. Neste texto, vamos contar também com a visão de Gabriela Holanda, artista e ativista socioambiental que trabalha com água e ecoperformance. Ela vai compartilhar sua visão relacionada ao novo marco hídrico e discorrer sobre os motivos pelos quais ele é um motivo de atenção que vai impactar a vida dos cidadãos.

Alguns dos pontos de destaque do projeto de lei

Modificação na Política Nacional de Recursos Hídricos, onde se constituiria a já tão discutida e historicamente problemática cessão onerosa no uso dos recursos hídricos – seria permitido vender direitos de uso de água entre usuários distintos – Indo de encontro aos princípios de que a água é um recurso natural de domínio de bem público, além de um direito humano fundamental.

No novo marco hídrico há também uma configuração de retirada da possibilidade dos Comitês de Bacia aprovarem seus planos, deixando essa tarefa para conselhos superiores de gestão de recursos hídricos. Os comitês de bacia, enquanto fórum onde distintos atores de interesses comuns discutem ações possíveis para uma determinada bacia hidrográfica, sendo responsável por avaliar estes interesses assegurando o bom uso da água. Possuem poder de decisão e são importantes no fomento de políticas públicas sobre gestão das águas nas bacias hidrográficas, englobando poder público, usuários diversos e sociedade civil com ação comprovada na bacia.

Gabriela reflete que “a autonomia dos Comitês de Bacias é essencial para garantir a democracia da gestão hídrica. Afinal, as questões discutidas dentro dos comitês estão pautadas  pelos contextos vivenciados em cada território. A retirada da possibilidade de os Comitês de Bacia aprovarem seus planos é uma estratégia antidemocrática, pois centraliza a gestão das águas no país.”

Mesmo tratando de infraestrutura, através da integração nacional do gerenciamento das infraestruturas e recursos hídricos e a integração com as políticas de saneamento, o PL abrange obras convencionais que não necessariamente garantem a segurança hídrica. Um dos objetivos é ampliar a participação da iniciativa privada em financiamento de estruturas hídricas, como canais de água e barragens, sob a justificativa de que o poder público só não conseguirá dispor dos investimentos necessários. Um ponto delicado, uma vez que segundo a ANA (Agência Nacional de Águas) há mais de 24 mil barragens no Brasil, empreendimentos que em sua maioria não possuem regularização ou monitoramento. Esta questão precisa ser melhor endereçada de modo a assegurar segurança não só ambiental como jurídica, através de regras claras e viabilidade dessas estruturas complexas.

Eventos extremos estão cada vez mais recorrentes no Brasil, dificuldades na distribuição e acesso à água estão latentes e a estruturação deste PL pouco contribui para uma gestão adequada dos recursos hídricos que acompanhe processos de adaptação climática. 

Para garantir segurança hídrica é necessário compreender a adaptação climática e reconhecer ferramentas de gestão dos recursos hídricos que respondam a uma segurança hídrica plural. Esta segurança hídrica será possível reconhecendo acesso à água e saneamento como um direito humano, fortalecendo as legislações ambientais, principalmente no arcabouço da PNRH – Política Nacional de Recursos Hídricos, reforçando as estruturas que garantam a descentralização da gestão das águas no Brasil.

No Brasil, 30 milhões de pessoas ainda não possuem acesso à água, as regiões Norte e Nordeste do país são as mais afetadas. Coincidentemente, estas são as regiões que mais sofrerão os impactos causados pelas mudanças do clima. Segundo a Pesquisa Nacional do Saneamento, mais da metade da população na região Norte do Brasil não tem domicílios com acesso à rede de abastecimento, dado contraditório uma vez que é nesta região onde está uma das maiores bacias hidrográficas do mundo.

“No Brasil, vivenciamos uma imensa desigualdade hídrica, seja pela questão territorial e climática ou por aspectos socioeconômicos. As propostas do novo marco hídrico irão agravar ainda mais essas desigualdades no país, ampliando a insegurança hídrica e os conflitos pela água já vivenciados em nossos territórios. Modificar a Política Nacional de Recursos Hídricos em prol da mercantilização da água, deveria ser vista como crime humanitário, em um país tão desigual.” Complementa Gabriela

Com promessas de trazer sustentabilidade e uma visão ampla e moderna para a gestão das águas no Brasil, o novo marco hídrico é mais um abismo entre a gestão do meio ambiente no país e uma ferramenta antidemocrática na visão do que a água representa

“Os saberes tradicionais nos ensinam a compreender a água como entidade e vida pulsante, se afastando de um entendimento de mera moeda de troca na roda do capitalismo. Por isso, o direito à água é direito à vida é a manutenção da cultura de um povo. Garantir o acesso à água segura é o modo mais simples de combater a pobreza e a fome, e de promover ações preventivas básicas de saúde e higiene para a população.”  Reflete Gabriela. 

Um projeto dessa complexidade apaga a realidade de muitos brasileiros que vivem em insegurança hídrica. O Caderno de conflitos do campo da Comissão Pastoral pela Terra aponta, por exemplo, que em Pernambuco, estado que resido, há pelo menos 57 áreas de conflito por água e terra. Este número é o equivalente a quase 7.000 famílias.

Em 2021, 50,7% destas famílias são de comunidades tradicionais. No sertão, uma das regiões mais afetadas pelos impactos da crise do clima, áreas às margens do Rio São Francisco lutam para ter seus territórios demarcados e tentam impedir a instalação de uma usina nuclear na região.

Conhecimento tradicional é a maior chave para preservação dos recursos hídricos e manutenção dos ambientes aquáticos. A preservação da vida de indígenas, quilombolas e povos tradicionais é o que vai garantir que esse conhecimento possa ser trabalhado em soluções baseadas na natureza. Guiadas por eles, os ambientalistas originais.

Falar sobre água em tempos de emergência climática é falar sobre gente, sobre milhares de brasileiras e brasileiros que vivem em insegurança hídrica e que precisam ter seus direitos de acesso aos serviços de água e saneamento assegurados através de projetos claros, coesos e de participação social. 

Como um jovem ambientalista no brasil me preocupa como água e saneamento não são assuntos prioritários nas discussões socioambientais para a agenda do clima. Os serviços de saneamento recentemente foram privatizados, o mercado das águas pode ser aprovado a qualquer momento através do PL discutido neste texto e a vida de milhares de brasileiros são colocadas em risco por falta de segurança hídrica. Neste ano eleitoral, muito trabalho precisa ser feito para que tenhamos mais jovens candidaturas eleitas, representantes indígenas eleitos e que a pressão social siga acontecendo diariamente em todas as instâncias de processos de tomada de decisão. 

Illustration by Isadora Machado @pppaperplanes

 

Join Us
Join our mailing list to get up to date information on future events, talks and editions!
In signing up you agree to the terms set out in our privacy policy.